Cachoeira ganha a Casa do Samba de Roda D. Dalva
Publicada em 17-08-2011

Foi o grupo Esmola Cantada quem recepcionou os convidados para a inauguração da Casa do Samba de Roda D. Dalva, em Cachoeira. Sambadores, representantes de instituições, visitantes e turistas nacionais e estrangeiros compareceram à cerimônia, realizada na tarde de 14 de agosto.

A mestre sambadeira D. Dalva, que batiza a Casa,fez uma fala em que destacou a importância do trabalho coletivo no projeto, bem como mostrou-se agradecida a todos os presentes no evento. Representantes do governo do estado também prestigiaram a cerimônia: Saliha Rachid falou da importância de o governo apoiar os grupos de Samba de Roda.

Houve ainda espaço para manifestações de outros mestres e de representantes da Asseba, o Secretário de Cultura e Turismo da cidade, Lourival Trindade; César, do grupo Filhos de Nagô e representantes do Pontão de Cultura Jongo Caxambu. Após as falas, os grupos Esmola Cantada, Samba de Roda Suerdieck e Mirim Flor do Dia apresentaram suas performances.

As Casas de Samba compõem a Rede do Samba de Roda da Bahia e estão sendo criadas ou fortalecidas em 14 cidades do Recôncavo Baiano.

O fortalecimento da Rede do Samba de Roda da Bahia tornou-se possível através do Projeto Pontão do Samba, coordenado pela Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia (ASSEBA), como parte do plano de salvaguarda do samba de roda. O projeto, conta com as parcerias do IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e da SCDC – Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural (Programa Cultura Viva/Ministério da Cultura).

A ASSEBA surgiu em 17 de abril de 2005, a partir do movimento deflagrado pelos grupos de samba de roda do Recôncavo Baiano. O movimento começou, estimulado por uma série de pesquisas realizadas pelo Instituto do Patrimônio Historio Artístico Nacional – IPHAN, para constituição do dossiê sobre o samba de roda. Sua sede é a Casa do Samba de Santo Amaro, um espaço cultural instalado no Solar Subaé, antiga mansão do Século 19, que foi totalmente restaurada, em Santo Amaro/BA.

Texto: Ana Fernanda Souza | Edição: Scheilla Gumes

Fonte: ascom/asseba
créditos - login