25 de novembro - Dia do Samba de Roda
Publicada em 24-11-2014



Dia 25 de novembro, sambadores da capital e do interior do estado da Bahia, comemoram o "Dia do Samba de Roda”. Em cidades como Maragojipe, Irará e Feira de Santana, a data é reconhecida legalmente, ação com participação das Casas do Sambas/Rede do Samba em respectivas localidades. A escolha do 25 de novembro, de seu através de um movimento dos sambadores em referência ao dia em que a UNESCO conferiu a manifestação o reconhecimento de Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade

Há muitos anos,os sambadores juntamente com outros agentes culturais ligados diretamente as manifestações populares e tradicionais, vem constituindo a identidade cultural brasileira e ensinando com metodologias próprias de suas realidades, as práticas de suas manifestações a crianças e adolescentes, para que os mesmos deem continuidade e preservem suas histórias. 

Atualmente manter pessoas em grupo cultural e contribuir com a preservação das culturas populares é um desafio para mestres e mestras de conhecimento notório das manifestações tradicionais e outras lideranças. Um dos motivos está na migração de pessoas para outras cidades e estados brasileiros em busca de empregos. Os sambadores ainda lutam por remunerações justas e em diversos momentos seus mestres idosos desembolsam capital financeiro para custear a manutenção de seus grupos.

Uma das ações de lutas pela tradição está a proposta de registro do Samba de Roda do Recôncavo no Livro das Formas de Expressão ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) encaminhada pela Associação Cultural do Samba de Roda Dalva Damiana de Freitas, Associação de Pesquisa em Cultura Popular e Música Tradicional do Recôncavo e Associação Cultural Filhos de Nagô. Em outubro de 2004 o IPHAN reconhece a manifestação como Patrimônio Cultural e Imaterial do Brasil e em 25 de novembro de 2005, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura -Unesco-, consagra como Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade.

A Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia (Asseba) através de um convênio com o IPHAN e em parcerias com prefeituras locais, secretarias, dentre elas da Secretaria de Cultura da Bahia/IPAC e ONG's, está desenvolvendo o projeto Rede do Samba de Roda, onde em 14 municípios baianos foram implantados espaços de referência obtendo apoio para a constituição de escritórios e apoios para a realização de oficinas culturais.


Fonte: Comunicação - Asseba
créditos - login