Tradição e historicidade musical do povo baiano preservadas
Publicada em 14-09-2015


Foto: Uendel Galter


Mulheres com saias rodadas, homens com os pandeiros na mão. A imagem de Senhor Deus Menino no presépio enfeitado de velas, frutas, flores, bonecas, brinquedos, luzes pisca-pisca, bolas de soprar, folhas da árvore São Gonçalinho e arcos de folha do dendezeiro. É a festa Queimada da Palhinha- baile pastoril em homenagem ao nascimento do Deus Menino, prática cultural mestiça, transmitida de geração em geração, referência de identidade cultural realizada na comunidade de Palmares, em Simões Filho, Região Metropolitana de Salvador, e que agora ganha um registro oficial no livro Cantigas de um Baile Pastoril– A Queimada da Palhinha. Financiada por recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia através de edital coordenado pelo Centro de Culturas Populares e Identitárias da SecultBA, a obra foi lançada na Biblioteca Central dos Barris, no último dia 10 de setembro, e contou com a presença dos Mestres e Mestras apresentando a sua arte. Acompanhando o lançamento, uma exposição fotográfica intitulada A Festa da Queimada da Palhinha, assinada pelos fotógrafos Bira Freitas e Uendel Galter, aberta no dia 10 e em cartaz até 20 de setembro no foyer da Biblioteca.

O registro da história dessa comunidade e da sua herança musical integra essa publicação, que reúne letras e partituras de 53 cantigas tradicionais da Queimada da Palhinha - cantigas que mostram os traços da herança cultural ibérica, a contribuição portuguesa na música brasileira, misturadas com as influencias africanas, ritmos sincopados e tambores.

Dona Pina, Dona Sartíria, Seu Manoel, Seu Nilo e Seu Joaquim são as Mestras e os Mestres desta festa em Simões Filho. Dona Arcanja, Dona Máxima e Dona Das Dores queimam palhinhas em Camaçari e também contribuíram com seus saberes orais.

Cantigas de um Baile Pastoril é um conjunto musical inventariado ao longo de 13 anos de trabalhos. A memória dos Mestres e das Mestras foi a única fonte de pesquisa para o repertório musical apresentado no livro. A obra é resultado da pesquisa da historiadora Wayra Silveira e busca valorizar, proteger e registrar as cantigas centenárias do baile pastoril Queimada da Palhinha. A maestrina e professora Cristina Nascimento assina a coordenação musical do projeto, que conta com o prefácio da etnomusicóloga e educadora Lydia Hortélio.


Registros do lançamento

Fotos: Uendel Galter





créditos - login