Casa do Samba Dona Alvina é inaugurada em Pitanga dos Palmares, Simões Filho, Bahia
Publicada em 31-08-2011

A história de três gerações de mulheres quilombolas, guerreiras, líderes, sambadeiras está sendo realizada, contada e guardada na Casa do Samba Dona Alvina em Simões Filho, Bahia.

A Casa será inaugurada domingo, 4 de Setembro, às 14h em Simões Filho. Fica localizada na Rua Alice Simôes, nº 71, Pitanga dos Palmares, Simões Filho.

Dona Bernadete Pacifico (coordenadora da Casa do Samba), é filha de Maria Alvina que é filha de Maria Faustina. Mulheres que têm o samba e a memória das manifestações da cultura popular no sangue. Ou na alma.

Maria Faustina, parteira e sambadeira,vivia na Fazenda Mocambo. Lá, todo fim de ano, fazia uma festa que durava 7 dias. Na programação, Baile de Pastorinha, Reza de Deus Menino, Queimada de Palhinha, Samba de Viola, Dança da Burrinha, Dança da Loba, Gazumbá , Dança de Engenho, Dança de São Gonçalo e outras.

Maria Alvina era a filha mais velha de Faustina. Foi também cantadora de "Chula”. Mesmo tendo saído da Fazenda muito nova para trabalhar como empregada doméstica em Salvador – única maneira de ajudar sua mãe a criar os oito irmãos –voltava para o Quilombo todo final de ano para cuidar da Festa do Deus Menino.

A festa que herdou da mãe, começava em 25 de dezembro (seu aniversario). Nesse dia era montado o Presépio para a Reza do Deus Menino. Ali era feita a Queimada de Palhinha e os festejos seguiam até o ano novo...

Maria Alvina faleceu no dia 02 de janeiro 2011, aos 103 anos no quilombo Pitanga de Palmares. Ao que tudo indica, após os festejos de fim de ano. Deixou Bernardete, que agora inaugura a Casa do Samba em sua homenagem.

Rede do Samba

As Casas de Samba compõem a Rede do Samba de Roda da Bahia e estão sendo criadas ou fortalecidas em 14 cidades do Recôncavo Baiano. A última inauguração será em Simões Filho, neste domingo, dia 4 de setembro.

O fortalecimento da Rede do Samba de Roda da Bahia tornou-se possível através do Projeto Pontão do Samba, coordenado pela Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia (ASSEBA), como parte do plano de salvaguarda do samba de roda.

O projeto, conta com as parcerias do IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e da SCDC – Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural (Programa Cultura Viva/Ministério da Cultura).

A ASSEBA surgiu em 17 de abril de 2005, a partir do movimento deflagrado pelos grupos de samba de roda do Recôncavo Baiano. O movimento começou, estimulado por uma série de pesquisas realizadas pelo Instituto do Patrimônio Historio Artístico Nacional – IPHAN, para constituição do dossiê sobre o samba de roda. Sua sede é a Casa do Samba de Santo Amaro, um espaço cultural instalado no Solar Subaé, antiga mansão do Século 19, que foi totalmente restaurada, em Santo Amaro/BA.

 

Programação:

 

14h - Homenagem a Dona Alvina nas palavras de:

Coordenação da Asseba
Bernadete Pacifico (Coordenadora da Casa do Samba)
Secretária de Cultura de Simões Filho


Encerramento com o Samba Pitanga dos Palmares

 

Contatos para entrevistas:

Sobre o Projeto e a Asseba:

Luciana Barreto/Casa do Samba: 75 3241-5126 / 75 9147 8507 / 75 8178 1891

Contato da Casa do Samba: salvador.asseba@gmail.com

Ass. Comunicação: Scheilla Gumes (DRT/BA-2204) – 71 8786 3828 | Gota Serena Com e Cultura

 

Fonte: ascom/asseba
créditos - login