Rede do Samba

A Rede do Samba é uma das ações previstas no Plano de Salvaguarda elaborado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, onde define que deverão ser espaços a serem usados coletivamente pelos sambadores para ensaios, atividades educativas, reuniões e o que mais necessitarem.

A Rede está presente em 14 localidades nas regiões do Recôncavo, Portal do Sertão e Metropolitana de Salvador, abrangendo respectivamente as seguintes Casas:

  1. Dona Alvina (Simões Filho)
  2. Dona Cadú (Maragogipe)
  3. Dona Chica do Pandeiro (Feira de Santana)
  4. Dona Dalva Damiana (Cachoeira)
  5. Dona Vanjú (São Félix)
  6. Doutor Deraldo Portela (Irará)
  7. Mestre Celino (Terra Nova)
  8. Mestre Domingos Saul (Conceição do Jacuípe)
  9. Mestre Pedro Joaquim (Teodoro Sampaio)
  10. Mestre Raimundo (São Sebastião do Passé)
  11. Sambadeira Frazinha (Saubara)
  12. Santa Cruz (Salvador)
  13. Terreiro das Umburanas (Antonio Cardoso)
  14. Zé de Lelinha (São Francisco do Conde)
Gerenciado pela Asseba, o projeto foi realizado em duas fases a partir de convênio firmado com o IPHAN. Neste processo os articuladores e oficineiros atuantes desenvolveram ações diversas visando garantir a salvaguarda do Samba de Roda. Dentre as ações, as Casas promoveram parcerias em instâncias variadas, desde ações com organizações do terceiro setor até a participações de editais públicos na Bahia.


Comunicação/Asseba
créditos - login